Edna Mahnic critica prisão de Lula e reitera sua liderança para a eleição deste ano

A vereadora Edna Mahinc (PT) durante Sessão Ordinária desta segunda-feira, 09, explanou uma análise de conjuntura. Conforme ela, abril de 2018 será lembrado no futuro como um daqueles meses cinzentos da história do Brasil, igualando-se a tantos outros que também o mundo já viveu. “Junto com a ordem de prisão arbitrária contra o ex-presidente Lula, merece destaque negativo o papelão que o Supremo Tribunal Federal (STF) exerceu, por reafirmar seu papel discriminador, tratando de modo arbitrário um cidadão que possui os mesmos direitos que todos os demais”.

Em sua concepção, enquanto instituição que compõe um dos três poderes da República, desde 2016, “o STF começou por dar completa voz aos golpistas que depuseram a presidenta Dilma Roussef sem uma razão legal fundamentada; agora, julga com regras completamente obscuras um ex-presidente que representa ameaça aos políticos conservadores e reacionários”. Ela finalizou o pensamento afirmando que “para terminar, esse mesmo STF negou um habeas corpus a esse mesmo cidadão que ainda não foi condenado em última instância”.

Conforme ela, o caso do ex-presidente Lula possui prerrogativas de recorrer a instâncias superiores, entre elas o próprio STF e ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). “Lembro que, pelo ritmo normal dos processos, isso ainda deverá ser feito no futuro, pois o processo não chegou às mãos do próprio STF. A vereadora questionou – “sendo inocentado, que dinheiro no mundo poderá pagar o dano dessa prisão injusta?”“.

Edna lembrou que alguns dos ministros do STF chegaram a esse cargo através da caneta do ex-presidente Lula, inclusive a própria presidenta, Carmem Lúcia, a mesma que em “voto de Minerva” entregou o ex-presidente aos leões. Essa atitude causa repulsa. “Naquela gana de condenar um líder político contrário aos rumos que o capitalismo injusto deu ao Brasil desde sempre, muitos juízes romperam com sua própria tradição de posicionamento em favor das liberdades individuais e de defesa da Constituição Federal. Tristemente vergonhosa essa postura; o STF deu em si mesmo mais um ‘arranhão’. Aqueles 6 votos a 5 não condenaram apenas o ex-presidente a uma prisão arbitrária: afronta milhões de brasileiros e ameaçam sua própria autonomia enquanto Corte Suprema. Nem mesmo o princípio forense “in dubio pro reo” (na dúvida, a decisão tomada deve favorecer ao réu) foi preservada. E dúvidas é o que não faltam no bojo desse processo tão polêmico. Milhares de advogados do Brasil e do mundo são sabedores disso”.

A vereadora entende que a prisão é injusta e arbitrária, fruto de uma perseguição política combinada por intermédio de setores da mídia. Para ela, qualquer outro político, ou mesmo outro cidadão comum, jamais aceitaria ser preso em condições iguais. “Há até uma suposta pressão de  Setores do Exército condicionando a antecipação dessa sentença a uma suposta intervenção militar. Uma brutalidade”.

Fonte – Câmara de Vereadores de Primavera do Leste

Compartilhe esse Post

Com muito ❤ por go7.site